domingo, 31 de agosto de 2008

olhe em volta


 não se faz necessária tanta reflexão. É uma questão assim de tão fácil discernimento. , pq continua a insistir em confundir ser querido com ser requerido?  são só coisas fluidas como a água. Pode conseguir fugir do elemento que tanto te bota medo, meu caro gato, mas não vê que da sensação, dessa não foge! Essa te arrasta, vai te rolando e arranhando pela orla, caminho único que se permitiu.
Veja bem que pra lá do primeiro, e segundo e infinito pensamento, e pra cá, um pouco antes do instinto ,entre eles, existe o sentimento, este encurralado e escondido só vai fazer te confundir, destoante, te atormentará em luas gordas e te botará em hora doido e doído.
É que quando o fruto amadurece, nessa maneira que pretende sem saber, o encontro com chão é forte.meu querido ser individual, não olhe tanto pro centro do seu ventre. Não seja assim de tão rígida e mesquinha posição. Erga a cabeça ,olhe em volta, sinta o vento que passa, eleve-se um pouco nele. Olhe para os lados, ! Olhe, olhe fundo, os olhos que te olham assim com tanta graça.

2 comentários:

Pedro Ivo disse...

Espelho.

sueli disse...

Gostei....escreve bem.....